Não tem playlist Música Latina 2017 :-/

Eu sei que quando choramingo que tive semanas com 4 aulas por disciplina, tendo que ler cerca de 30 páginas por aula, mais resumo, fichamento, exercício e videoaulas, ninguém fica com pena de mim. “Já começou Latim?” é a pergunta de menosprezo favorita do pessoal.

Pra ler alucinadamente no ônibus e no trem, eu tive que parar de ouvir música. Troquei o fone bluetooth por um tampão de ouvido!

Desde novembro  de 2016 ouvi só esses discos:

  • Barro – Miocardio (Barro é o cantor, Miocardio é o nome do disco, avisando porque eu mesma vivo esquecendo…)
  • Bruno Souto – Forte
  • Francisco El Hombre – Soltasbruxa
  • Paula Cavalciuk – Morte & Vida
  • Juanes – Hermosa Ingrata

E nada me empolgou.

Sabe o que me empolgou? O que eu colocava pra tocar quando não aguentava mais gregos, troianos, linguistas genebrinos, menus totalmente nonsense do LibreOffice Impress e metáforas indecifráveis? Lu & Robertinho, com sua série de QUINZE discos Sertanejo Mashup. E Ed Sheeran.

E tem outra: estou sentindo uma mudança de perfil: de a louca por novidades, cada vez mais passo a me comportar como a que quer ouvir as mesmas velhas músicas de sempre.

 

 

 

Anúncios

Intertextualidade

Duas paixões d’além-mar: Pessoa e Deolinda.

Presságio

Fernando Pessoa

O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p’ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente…
Cala: parece esquecer…

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P’ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…

 

 

 

Como andamos com a Música Latina por aqui?

Ouvindo pouca coisa. Tempo livre no ônibus é para ver videoaula, sofrer com as apostilas de geografia e ouvir podcasts. De vez em quando eu lembro de ouvir e cantar música em espanhol porque he elegido español como lengua extrangera en los exámenes…

Aí eu me espantei com notícias sobre o sucesso de Reggaetón, Maluma e Luis Fonsi no Brasil ¬¬ Estão ouvindo e gravando reggaetón farofa com 10 anos de atraso 😀

O que eu tenho de novo pra mostrar é Mon Laferte. Pop folk rock com a elegância das cantoras chilenas e a energia da música mexicana, já que ela viveu um tempo no México. Não sei se ela teve alguma repercussão no Brasil. Peguei minha filha escutando o disco Mon Laferte, de 2015 (3 músicas na minha Playlist Música Latina 2016). E minha filha é da tribo dos coreanos 🙂 O disco de 2017 se chama La Trenza. Monserrat Laferte é maravilhosa.

 

 

 

Música Latina 2016

Contratei Marcelo como autor da seleção das melhores músicas do ano!

Aí chegou Agosto, eu chamei Marcelo e disse:

– Está na hora de cortar.

– E você acha que eu vou cortar alguma música do Choc Quib Town? E por que Deolinda não está na lista?

– Porque ele está na lista. O disco inteiro. Agora que é hora de cortar ele entra.

Depois de muito sofrimento e altas concessões (Ele é o roqueiro e cortou minhas bandas de rock espanholas todas!), além de uma grande surpresa (peguei Filhote cantando Mon Laferte, cantando em espanhol pela primeira vez, oooooooouw), eis a lista mais aguardada da internet!

Time colombiano

Contra a invasão portuguesa no meu radinho, a Colômbia recrutou Carlos Vives e Shakira em sua velha e boa forma, com reggaetón e vallenato. Pegaram pesadíssimo.

Choc Quib Town, a banda mais divertida das Américas

Monsieur Periné, foi a primeira a entrar nesse setlist ano passado, mais uma banda inovadora e divertidíssima da Colômbia

Caly y el Dandee – Uma dupla de regaettón, me julguem. Coloquei pra tocar no trem, perdi a estação de transferência e só percebi quando cheguei em outra cidade 😀

Esquadra Espanhola

Sim, eu reclamei das baixas e mesmo assim temos Amaral e Bebe, rock feminino em espanhol. Em uma linha mais pop, Georgina

Argentinos!

Dois veteranos: kevin Johansen e Las Pastillas del Abuelo

Chile

Mon Laferte – A blogueira que me apresentou descreveu como “Natália Lafourcade Gótica”. É música pra cantar aos berros, chorando e borrando o rímel.

Portugal

Deolinda

Ok, eu só conheço 3 bandas portuguesas e só uma está na ativa, mas é a melhor banda em língua portuguesa de toda a CPLP. E A Ana é muito muito muito diva, e isto dito por alguém que nasceu no país da cantoras divas.

Brasil

Se eu não escutasse mais brasileiros o governo disse que extinguiria o MEC e a minha setlist.

Bruno Batista – mais um velho conhecido, amo muito esse maranhense

As moças dos programas de canto da tv – Khrystal e Lucy Alves participaram desses programas de competição de canto, que eu abomino. A Lucy Alves também fez uma novela que eu não vi nem um capítulo. Não, nem quando o cara morreu. O algoritmo do Spotify me apresentou os discos e eu caí de paixão por elas.

Rael – “o disco do Rael não tá na lista porque ele está inteiro na lista”, todo ano de disco do Rael é o mesmo sofrimento!

Zeca Baleiro – quem não gosta do Zeca. bom sujeito não é!

A Setlist!

[

É show!

Zerando a vida no quesito shows:

✔ Legião Urbana

✔ Paralamas do Sucesso

✔ Skank no final dos anos 90

✔ Djavan no final dos anos 90 – a gente ouviu o show sentado no estacionamento, mas tá valendo 🙂

✔ Los hermanos antes do Disco 4

✔ O Rappa

✔ Angélia e Kelly Key (não pergunte)

✔ Julieta Venegas

✔ Café Tacuba – a melhor banda do mundo de todos os tempos

✔ Deolinda – paixão atual e avassaladora

Juanes e Shakira de antanhos seria bom, hoje não quero mais :-/

Falta quem?

Kevin Johansen e Amaral

 

Deolinda na Praça XV -10/06/2016

Pense numa pessoa feliz 🙂

image

Foto captada no Facebook de pessoas. Apesar de ter ficado muito perto do palco eu não fotografei nada. Na hora do show eu só me preocupo se a platéia está pulando e cantando suficientemente alto.

De início não estava. O show começou com a poderosa “O Fado não é mau”. Deolinda não precisa deixar hits pro meio e pro fim. É daquelas bandas com discos cheiros de hits, que tem que escolher quais ficam de fora do setlist.

O show avançou e tinha mais gente cantando – com sotaque brasileiro. O setlist privilegiou as músicas mais agitadas.Em Um Contra o Outro, todo mundo pulando e de braços pro alto. Só achei que na Garçonete nós tínhamos que transformar a Praça XV no terreirão do pagode. Mas Marido tem uma teoria sobre o porquê pagode não rolou.

A proximidade com a Candelária trouxe manifestantes. à platéia. Encheram o saco, pero no mucho. Pra esses defensores de partido e de políticos, só uma coisa a dizer:

Não fui eu quem meteu água mas agora estou
com água pelo pescoço
Ninguém me salvou
Ninguém salva ninguém, está visto
Isto é o salve-se quem puder
E quem podia salvar-nos disto
Ai é isto o que quer, é mesmo isto que quer
(Bote furado, uma música sobre a situação brasileira portuguesa buguei)

Foi tão bom (foi maneiro, como disse a Ana) que no meio do show eu já tinha zunido com o casaco e fiquei só de regata. E cantando bem alto. E pulando com a perna esquerda, que o joelho direito pifa aos 30 minutos de show. Hoje eu acordei com a cervical em chamas, e isso porque já estou há uma semana em tratamento, se não estivesse nem levantava da cama. Deve ser assim que a Véia e o DJ acordam no dia seguinte da balada 🙂

Sabe a minha listinha anual das Músicas Latinas e melhores discos do ano?  Pois é 🙂

 

Off show:
Documentário  no CCBB pavoroso. Caldo verde maravilhoso. Vinho bom e caro. CD da banda à venda baratinho. Fila da sardinha assustadora, nem comi. na fila do vinho, conversei em espanhol com uma canadense 🙂 O show atrasou porque os microfones resolveram ficar mudos. Bateu medo do problema técnico reaparecer durante o show. Teve um pouco de microfonia. Felizmente a ameaça do organizador não se cumpriu: Deolinda não dividiu o show com nenhum artista brasileiro!

Música Latina 2015

Eis a mais aguardada lista do ano \o/

SPOTIFY

DEEZER

Esse ano foi molezinha para ouvir música: Tava tudo no Spotify. Para encontrar, continuei com meus blogs, sites de música e também tive duas fontes interessantes: os canais de tv Music Box Brasil, Play TV, Mix TV e a rádio Antena 1!

A Playlist tem 19 músicas e 1h40 de duração.

Eu queria colocar no Grooveshark, mas ele morreu. Vai ter que ser no Spotify e no Deezer mesmo. Malditos capitalistas, pode nem compartilhar música de graça mais não!

Bruno Batista – Pois Zé e Incêndio. Era pra ser uma música de cada disco/artista. Era.
Tulipa Ruiz – Elixir. Pra quem passou o ano cansada com a lombriga na clavícula, pé e costela do esqueleto.
Leo Cavalcanti – Sonho Parasita. Por causa das palestras que minha ex-chefe costuma dar lá no escritório, reconheci um disco baseado na doutrina espírita. Ao contrário das palestras, o disco do Léo é divertido. E as letras são ótimas.
Ana Tijoux – Oro Negro. rap protesto contra a exploração dos recursos naturais nas partes mais pobres do planeta, de guerras em nome de Deus e da liberdade. Momento mão no vespeiro.
Criolo – Pegue pra ela. pop nordestino com letra meio djavanística
Pato Fu – eu era feliz. Nem de longe se compara com os sucessos antigos do Patu Fu, mas pato Fu fraquinho ainda é bom.
Funanbulista – El Tango que me parió. tango-rock pra cantar a plenos pulmões no chuveiro. Ou pelado na janela, que nos vea la gente!
Outra Realidad – Diana Fuentes. bolero – rock de uma menina que canta direitinho e é cunhada da Ileana Cabra, ou seja, responsabilidade.
(Ileana lança disco solo ano que vem. Nem saiu e eu já botei na lista de 2016)
Carolina Camacho – Pal cielo. pop electroafropop de Santo Domingo. Da linhagem da dona Rita Indiana.
Tom Zé – Salva a humanidade. Pode escutar sem medo. Tom Zé não morde.
Projota – O Astronauta. Projota paz e amor.
Rael – Hoje é dia de ver. Rael, dá umas aulas pro Projota de como fazer som digerível pras massas mas sem perder a relevância das letras. Rael foi quem me fez sofrer mais na hora de cortar. O disco inteiro é bom.
Ximena Sariñana – La vida no es fácil.  Ximena faz a linha pop com classe. Nesse disco saiu-se muito bem.
Francisca Valenzuela – No esperen mi regresso. Repete a linha da Ximena aqui. Mas a Chica sempre foi mais divertida.
Biltre – Pissaicou. Falando em diversão pura…
Scott Bradlee and the Postmodern Jukebox, com Robin Adele nos vocais – Wake me Up (despiértame). Gente, isso é um grupo americano de youtube. Vai lá ver e volta daqui a duas horas pra dizer que está viciado.
Criolina – afinado a fogo
Francisco el Hombre – La Pachanga
Se ano passado o melhor disco de música latina estava em português e era de Portugal, este ano os dois melhores discos de música latina estão em português, portunhol, espanhol, e são os dois brasileiros! Tá, dois terços de Francisco, el Hombre nasceram no México mas estão radicados no Brasil. Já Criolina é maranhense. Nos dois discos encontramos sonidos tropicales poderosos!

SPOTIFY

DEEZER

As melhores músicas pra não se ouvir 2015 (AKA Grammy Latino – indicados)

Saiu a lista dos indicados ao Grammy Latino 2015, enqanto eu estava presa no engarrafamento da Avenida Brasil. Todo ano a mesma coisa! (Eu no engarrafamento. Ah, a turma de indicados também)

Tulipa Ruiz foi indicada ao prêmio de revelação. Estão um pouco atrasados, né.

Julieta Venegas lançou um single e já foi indicada.

Eles ignoraram Francisca Valenzuela!

Eu vou deixar Julieta para o ano que vem. No ano passado, eu deixei Francisca par mais tarde. E ela emplacou músicas na minha hit parade.

Ana Tijoux foi indicada ano passado por um single. O disco saiu e também foi ignorado. Entre as fofinhas Natália Lafourcade e Ximena Sariñana, eles preferiram Lafourcade. Eu não. Dentro do estilo “musa alternativa folk durmo muito”, eles também indicaram a Banda do Mar ¬¬

O Brasil mando a turminha de sempre – assim como todos os outros países. Este ano temos a volta do prêmio Alejandro Sanz. Da turminha de sempre, me gusta Lenine e Pato Fu. A Academia não conhece Criolo e Tom Zé. E vamos fingir que não sabemos que o melhor disco em português, Mundo Pequenino, não foi ouvido ano passado e não consertaram a injustiça esse ano.

Tem um reggaetón sem vergonha do J Balvin que eu incluí na minha lista de réveillon e tinha tirado da lista Música Latina. Acho que vou botar de volta 🙂

A lista da Aline sai no dia 18 de novembro 🙂

Música Latina – Melhores de 2014

Escute a playlist aqui: http://grooveshark.com/#!/playlist/ML+2014/102471970

E eis que chegou o momento de divulgar ao mundo a minha seleção das melhores músicas latinas lançadas no período de outubro de 2013 a outubro de 2014 (com margem de erro padrão IBOPE e cálculos padrão IPEA).

Acontece que se eu pego um disco faltando uma semana para a montagem da lista (tipo Izal ano passado e Skank esse ano), não dá mais tempo, aí eu empurro para a lista do ano seguinte…

Esse ano temos velhos conhecidos de outras edições : Alex Syntek, Nação Zumbi, Amparo Sánchez, O Rappa, Projota, Blubelll, Marcelo Jeneci, Ná Ozzeti, Calle 13 (ooooh, que surpresa) É sempre bom ver nossos queridos de sempre lançando trabalhos de qualidade. Não basta ser querido, tem que, no mínimo, manter o nível. Por não terem conseguido, dois discos de mega-astros da música latina forma parar na lixeira: Juanes e Shakira.

O retorno dos sumidos: há anos que eu não ouvia nada dos Titãs que me empolgasse! Nessa lista tem um dos melhores discos do ano, do Titãs, e outro super cool, do Arnaldo 🙂

As revelações:

Izal, que eu ouvi fora do tempo hábil no ano passado e desconfiava de que seria um dos melhores discos do ano. Um ano depois eu digo: é mesmo.

A revolução das coadjuvantes: Andreia Dias é colega da Anelis (que já tocou por aqui mas esse ano não conseguiu conquista vaga no listão). Também já cantou com Zeca Baleiro em discos de outras seleções. Vem com um disco pop-tropical delicioso, acompanhada de…

… Felipe Cordeiro é o representante da música tropical paraense!

Verônica Ferriani era interprete, cantou em grupo de samba, cantou com o Criolo e lançou um disco de cantautora. Contrariando todas as expectativas (ah, esses intérpretes que acham que sabem compor…), é um discaço!

Fede Cabral é argentino e faz um popzinho que, como li nos blogs gringos, é legalzim… Nada demais… Mas vicia e eu não consigo parar de ouvir de jeito nenhum 🙂

Miguel Solano: achado nos blogs obscuros que eu leio. Ele tem um Ep. O google responde “exibindo resultados para Matheus Solano”. Pop rock BR gostosinho.

Da série: você e música eletrônica?!?! Dorian, que, segundo a wikipedia, está considerada una de las bandas con más proyección nacional e internacional de la actual escena musical española. Deve ter sido escrito pela mamá deles. O disco é horrível, mas com uma música tão boa que foi parar no listão. Moral da história: Aline nunca poderá deixar de ouvir discos horríveis.(Há limites, claro: não ouvi Anitta.)

O melhor para o final, né?

Esse ano eu me vi com poucos discos, mas a maioria com grande quantidade de boas faixas.

Izal saiu na frente como candidato a melhor disco do ano. Calle 13 chegou e é quase hour-concours. Titãs entregou uma inesperada e grata surpresa. Porém há um disco que chegou às minhas mãos em Dezembro de 2013 e atravessou todo o ano no posto de melhor disco do ano, maravilhoso, arrebatador, de se ouvir faixa a faixa com repeat ligado. O melhor disco do ano (da década? Sim,ainda estou morrendo de amores por ele) é em Língua Portuguesa, mas não a que vocês estão pensando.

Deolindamundopequenino

Deolinda é uma banda de Lisboa. Mundo Pequenino é seu terceiro álbum, sucessor de outros dois super bem recebidos em Portugal. Vocal feminino de Ana Bacalhau. É música pop com fundo de música tradicional portuguesa. Mas não, não é estilo “word music”. No ano passado eu me dividi entre um disco brasileiro e um mexicano. Este ano é de Portugal, absoluto!

escute a playlist aqui: http://grooveshark.com/#!/playlist/ML+2014/102471970

Setlist:

Billboards-Picture