gênero textual blog

Acabei de sair espantada da página de um menino. O post começava assim:

Venho por meio desta apresenta [sic] um novo livro que eu li.

O blog bota a criançada pra escrever. A criançada se motiva e usa a técnica que está à mão. Quando na minha vida eu, aos 10 anos, imaginaria que iria escrever alguma coisa que começasse com “veio por emio desta”?

(E pior é que anos mais tarde levei uma bronca de um engenheiro, e ao admitir que um ENGENHEIRO CIVIL fazia observação pertinente quanto ao estilo, abandonei pra sempre o “por meio desta”).

Eu li (por meio do meu computador..) um artigo defendendo o ensino de meios de produção multimídia. O aluno deve saber usar os meios de produção audiovisual. Achei exagerado. Concordo que deva, mas eu não sou especialista e ainda assim uso ferramentas multimídia. Ninguém me ensinou. Quando quis e/ou precisei, saí à caça do conhecimento compartilhado na internet.

Isso é uma coisa. Colocar produção audiovisual no currículo e enquadrá-la no esquema aulas-avaliações, é outra bem diferente. Não faça isso. Aula = chatice, aprendizado colaborativo = legal

(Outro dia Filhote contou que a professora de história pediu ajuda às alunas para configurar umas coisas no celular. Sem que ninguém percebesse, as meninas deram aula à professora e só terminaram ao fim do processo de avaliação, quando a Fessora acertou a paradinha sozinha.)

Voltando aos blogs que, imagine só, diziam que seriam mortos por redes sociais e microblog, no entanto meninos e meninas estão espontaneamente escrevendo! Agora vamos dar a eles boas tecnicas. Gramática e Sintaxe nunca foram problema para mim, mas reconheço que elas se tornam muito mais atraentes se vistas como ferramental para a produção de textos. A linguagem, a gente deixa por conta deles. 

(Gramática, Sintaxe e boas leituras também).

Sem mais, despeço-me (por enquanto).

Aline

Enviado poremail

Anúncios