SCREAM & YELL 2.0 » Show: Aterciopelados e Fernanda Takai

fotos e texto por Marcelo Costa

“Alguns anos atrás, a revista norte-americana Time publicou uma lista com as 10 melhores bandas do mundo. E nós estávamos lá com o Pato Fu”, diz orgulhosa Andrea Echeverri. Fernanda Takai, ao seu lado, complementa brincando: “Éramos nós e outras bandas menores… Radiohead, U2”. A plateia ri, e Fernanda não perde a deixa: “Isso quer dizer que vocês estão vendo ao vivo agora duas das melhores bandas do mundo”! Todos aplaudem.

Andrea é a metade do duo colombiano Aterciopelados, grupo escolhido pelo curador Paulinho Moska para abrir o projeto Soy Loco Por Ti America, que propõe uma série de encontros inéditos entre músicos da América do Sul e do Brasil no palco do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Para a estreia paulistana, o projeto contou com a presença da cantora (e parceira dos colombianos) Fernanda Takai em um show intimista e com vários momentos de rara beleza.

Além de curador do projeto, Paulinho Moska também é o mestre de cerimônias arroz de festa, e abre a noite emendando a capella um potpourri de canções de temática latina (“Sangue Latino”, “Á Palo Seco”, “Canção da América”), narra as aventuras de Cristovão Colombo cifradas por Caetano Veloso em “Três Caravelas” e convida Andrea Echeverri para cantar com ele – e em português – a sua “Lágrimas de Diamantes” (e ela se sai muito bem).

O show, no entanto, começa mesmo quando o baixista Héctor Buitrago (a outra metade do Aterciopelados aqui acompanhados de violão e percussão) leva na gaita a introdução da deliciosa “Ataque de Risa”, com Andrea empunhando uma “escopetarra” (uma guitarra com corpo de escopeta que honra a famosa frase de Woody Guthrie) e cantando versos como “En vez de karate, propongo caricias / En vez de bomba, bombón / En vez de que te maten, tomate un rico mate / En vez de pelear, propongo enamorar”.

“Essa escopeta matou muitas pessoas na Colômbia, mas agora produz música”, explica didaticamente Andrea. “Isso é uma prova de que algo que fazia uma coisa feia pode ser usado para o bem”, completa a cantora lembrando que o Aterciopelados é daqueles grupos militantes que se envolve em causas nobres, apóia ONGs e se preocupa com o meio ambiente e o cenário político de seu País (algo que hoje em dia parece não exister no Brasil).

O show segue com o belo sotaque tango de “Maligno” (1998), que surge entre duas canções de “Dos” (2010), segundo álbum solo de Andrea (“Alegria” e “Yo”, cuja letra provoca: “Yo no quiero ser Juanes, Yo no quiero ser Shakira, Yo solo quiero vivir mi vida” – ela adapta a letra mais pra frente dizendo não querer ser Lady Gaga também), mas é com a dobradinha “Baracunatana” / “El Estuche” que o maior grupo de rock da Colômbia consegue incendiar os paulistanos.

Andrea Echeverri é alta, esguia e toda paz e amor. E canta muito. Elogia a hospitalidade brasileira, diz que sentirá falta do País quando voltar para a Colômbia e chama ao palco Fernanda Takai. Juntas elas cantam a linda e triste “Tudo Vai Ficar Bem” (do álbum “Daqui pro Futuro”, do Pato Fu, que conta com Echeverri nos vocais), “El Álbum”, “AEmeO”, e a climática “Fruto Real” (canção do álbum solo de Héctor Buitrago em que Fernanda Takai devolve a gentileza cantando).

A última do show (antes do bis) é “Canção Pra Você Viver Mais”, do Pato Fu, sempre emocionante. O retorno ao palco traz mais hits. A dobradinha “Pensando em Ti” / “Rompecabezas” deixa todo o teatro em pé, e o golpe de misericórdia é desfechado com “Porque Te Vas”, mas o público, no entanto, não está satisfeito, não deixa o grupo ir, e pede mais. Eles decidem na hora tocar “Bolero Falaz”, e a audiência comemora cantando apaixonadamente a última música de um show descompromissado e encantador de um grupo que o Brasil precisa descobrir.

O projeto Soy Loco Por ti America segue durante as terças-feiras de julho no CCBB de Sâo Paulo com shows de Fernando Cabrera (Uruguai) e Pedro Luís (12/07), Lisandro Aristimuño (Argentina) e Marcelo Jeneci (19/07) e Francisca Valenzuela (Chile) e Ana Cañas (26/07) sempre em dois horários: 13h e 19h30. Saiba mais aqui.

Leia também
– Pato Fu: show “Música de Brinquedo” no Ibirapuera, por Marcelo Costa (aqui)
– Pato Fu duas vezes ao vivo em São Paulo, 2010, por Tiago Agostini (aqui)
– Entrevista: A luz negra de Fernanda Takai, por André Azenha (aqui)
– Pato Fu libera vídeos em site especial, por Marcelo Costa (aqui)
– “Rotomusic de Liquidificapum 15 Anos”, Pato Fu, por Marcelo Costa (aqui)
– “Pato Fu ao vivo no Sesc Pompéia 12/2008”, por Marcelo Costa (aqui)
– “Daqui pro Futuro”, Pato Fu, por Marcelo Costa (aqui)
– “Onde Brilhem os Olhos Seus”, Fernanda Takai, por Marcelo Costa (aqui)
– “Toda Cura Para Todo Mal – DVD”, Pato Fu, por Marcelo Costa (aqui)
– “Toda Cura Para Todo Mal” faixa a faixa por Fernanda Takai (aqui)

Só faltou um medley de Eu e La Culpable para ser a perfeição.
Não tô achando o segundo disco da Andrea que no quiere ser Juanes ni Shakira. Esses dois mais Atercio formam a santíssima trindade colombiana da minha discoteca, porém Atercio mantém a qualidade ao longo dos anos, Juanes y shakira… no. Só toco disco velho deles.

Enviado poremail

Anúncios