Feliz dia dos Professores

Era um P.S. desse post, mas ficou gigantesco, abri outro post. Fui inspirada pelas vinhetinhas da BandNews que homenageam aquele professor que fica na nossa memória depois de anos (décadas…), e pelo post do tio Sérgio Vieira aqui.

P.S de dia dos professores: Um beijo carinhoso para dona Vânia, que me fez amar História, dona Mara, que me fez amar Português (quero tacar fogo nas apostilas por outros motivos, dona Mara, não se preocupe), seu Carlos, que não me fez amar Matemática, eu escrevia novelas, crônicas e romances na aula e ele ameaçava me tirar pontos, mas eu gostava dele assim mesmo, Professor Câmara, que me deu aula de Geometria à base de bloco prancha A4, esquadros, compasso e transferidor, amava tanto tudo aquilo que nunca consegui me convencer a fazer um curso de Autocad.  Um pé na bunda de todos os meus professores de educação física, eu odiava exercício e odiava vocês, e vocês não fizeram nada por mim (tadinha). Foi uma lesão na cervical que me fez perceber que alongamento é legal, e um ato impulsivo que me pôs em cima de uma bicicleta em plena Avenida Santa Cruz e, ao me ver viva na porta de casa, percebi que ciclismo também é muito legal. Tive aula com o Léo Feldman porque ele tinha fama de não aparecer na escola. No primeiro dia ele apareceu, me deu um mega esporro e eu achei que tinha cometido um erro, qualquer bípede na face da terra parecia ser capaz de jogar handebol, menos eu, mas felizmente ele fez juz a fama e nunca mais o vi na escola, só na TV apitando futebol. Mas teve um professor de vôlei que me deixou fazer aula de… dança de salão!  Não lembro seu nome, mas você sim fez algo pela rebelde sem causa que odiava exercícios.  Um pé na bunda também desses professores de cursos de idiomas, pra dar aula em certos lugares você tem que se formar no nível avançado, ser um aluno razoável, mas mutio bonito e carismático, domínio da língua não é tão importante, tive uma professora de inglês que me cortava toda vez que eu tentava falar (em inglês) frases diferentes das que estavam no livro e que na verdade era uma estagiarizinha que dava aula pra pagar a faculdade de medicina. Não quero encontrá-la de novo nem como professora nem como médica. Mas pra cada enganador havia alguém como o Fábio. Cara doido, dava um show em sala de aula mas era super ansioso, antes do show fumava feito um louco, coração disparado, querendo saber o que mais podia fazer para despertar o interesse de uma turma que estava lá, na maioria, por obrigação de ter curso de inglês no currículo.  E a Lílian, um doce, super meiga, super relax, acordou um dia querendo ser aeromoça, fez um curso de espanhol, fez o exame para o tirar o DELE no Instituto Cervantes de sacanagem e passou (Nível Superior, prova fueda), então virou professora de curso, muy guapa y muy chula, nena!

Um beijo para Flávia & Tirrè, a duplinha que está ensinando minha filha, e a Jurema, a diretora. Eu achava que medo da diretora era coisa de criança, tenho mais medo da Jurema do que dos meus diretores, incluindo aí o Rubinho também conhecido como Diabão. Flávia, Tirrè e Jurema estão educando minha filha, estou satisfeita, mas o nível de expectativa, tanto com elas quanto comigo, é estratosférico, é muita presão. O segredo, segundo Tio Sérgio e Luciano Pires, é deixar a criança brincar de aprender. Tá bom, vou segurar a onda na pressão. Só não sei o que vou fazer quando (se) ela empacar em Física. Eu só desempaquei porque Dona Dulce (não minha mãe, a professora), me deu aula por 3 meses, me mostrou como aceitar aquilo (continuo detestando, mas passei) e depois faleceu. Gratidão eterna, Dulce, você não me ensinou Física (eu só decorei e já esqueci), me ensinou a contornar problemas dos quais não podemos fugir.

Dona Zezé que nem me deu aula, professora do meu irmão, mas disse que eu seria uma grande escritora. A culpa dos blogs e seus posts gigantescos é dela!

Se Dona Mara puder me ler, acho que chora, de novo 😀

Anúncios

2 comentários sobre “Feliz dia dos Professores

  1. Tive um professor de educação física chamado Paulo Doreste, que não lembra em nada os professores das trevas que citou. Também teve o seu Gilson de Geometria (foi um dos grandes motivadores para que fizesse a escola técnica). E, terminando, a dona Guaracy professora de história me fez compreender e muito o mundo ao meu redor nos altos dos meus 13 anos e dona Sônia de Matemática. Agradeço a seu post por me lembrar deles novamente.

    Namoradão.

Os comentários estão desativados.